Esta foto é sua?

7 lições que aprendi namorando alguém de outro país

Todo relacionamento tem seus pequenos desafios diários, mas verdade seja dita, se você já namorou com alguém que – literalmente – não fala a sua língua sabe que existem alguns desafios de brinde para vocês enfrentarem juntos.

Resolvi compartilhar com vocês as pequenas lições que aprendi namorando alguém de outro país, mas que servem para qualquer relacionamento.

12

1- Evitar discussões bobas por pura preguiça

Não sei você, mas eu já não tenho paciência nem pra discutir relação em português. Acho muito chato. Agora, discutir relacionamento em outro idioma cansa demais. Se em português eu já não me entendo direito e não encontro as palavras para expressar o que estou sentindo, imagina falar tudo isso ligando a tecla SAP.

Afinal, como se fala “será que dá pra você tirar a p**** da toalha de cima da cama” em alemão mesmo? Confusão mental define.

Por isso, aprendi a “selecionar” melhor as brigas que realmente valem o empenho. As outras pequenas discussões? Let it go, let it go.

tumblr_madgeeyf871qb9ozho7_500

2- O poder da pontualidade

Ele marcou comigo uma semana antes e disse “a festa é às nove na sexta, passo para te buscar”. O que isso significava pra mim aqui na terra do jeitinho? Que ele iria me ligar pra confirmar ou não. E que lá por umas nove eu iria entrar no banho porque provavelmente ele não iria aparecer aqui antes das dez. Relax.

Só que às nove horas ele estava na portaria do meu prédio e eu – apavorada – ainda de pijama e nem sabia que o encontro estava marcado! Ele nem ligou pra confirmar…

Pois é, na gringa “te pego às nove na sexta” realmente quer dizer “te pego às nove na sexta”. Ensinei pra ele que no Brasil as festas nunca começam no horário em que são marcadas. E ele me ensinou a cumprir horários e que quando a gente se compromete com alguma coisa, a gente cumpre. Não gostei disso no início, mas depois acostumei. Saber que você pode contar que a pessoa vai aparecer exatamente no horário que ela combinou com você traz uma segurança bem grande para o relacionamento.

3- O corpo fala. E muito!

Não preciso falar muito sobre isso, né? Quando os idiomas são diferentes, o corpo fala muito, meu bem. Quando vocês não são fluentes um na língua do outro, a comunicação não-verbal fica muito afiada. Mas vamos combinar, isso tem que acontecer em todo relacionamento, mesmo quando ambos falam português.

9969687

4- Dar valor para as pequenas descobertas

Passear com ele pelo Brasil é como andar com uma criança de 5 anos. Para ele tudo é novidade. E ele enxerga as pequenas coisas sob um olhar curioso e fascinado. Sabe aquilo que a gente está acostumada a fazer e já não dá mais bola? Tomar guaraná, assistir novela, comer farofa. Poder testemunhar alguém provando tudo isso pela primeira vez é uma delícia!

giphy4

5 – Se derreter por palavras que não tem nenhum sex appeal

O sotaque dele falando português é tão irresistível que palavras ridículas se tornam super sexy. Quem iria imaginar que eu acharia “vira” uma palavra sedutora?

Está bom, não é “lição”, mas precisava ter na lista. Quer dizer, é lição sim. Aprendi a valorizar e me apaixonar pelas nossas diferenças.

giif5

6 – Entender que diferenças culturais existem. E saber conviver com elas numa boa

Antes achava maior bobagem esse lance de diferenças culturais. Até que vivenciei na prática diferenças bem gritantes. Realmente alguns pequenos hábitos podem apavorar no início. Ele nunca vai entender porque o Castelo Rá-Tim-Bum marcou minha infância; e eu ainda acho esquisito ele gostar de assistir beisebol. Tudo bem, bola pra frente. Aprender a lidar com as diferenças é libertador.

lily-e-marshall

7- Amar ainda mais as origens

Sabe o que acontece cada vez que explico alguma coisa tipicamente brasileiro para ele? Volto às minhas origens e acabo fazendo verdadeiras declarações de amor pelo meu país. Ao olhar para as diferenças do outro, a gente acaba aprendendo a se amar.

Comentários