Esta foto é sua?

As paixões de cada signo

Esses dias conheci um ariano e me apaixonei. Delicado como um rinoceronte, ele logo me mandava à merda por qualquer tentativa de drama e utilizava aquele método infalível de resolução de brigas na cama. E como gostava de brigar. Arrumava encrenca na mesma frequência com que eu tomo pingado e ai de quem ousasse dizer que ele estava errado. Ficava irado. Não dava a mínima para os outros e tinha energia para mover uma montanha se precisasse. Eu gostava dele. Pena que ele descobriu. Se eu não tivesse falado, talvez o amor não tivesse acabado.

Conheci um taurino. Saímos para jantar. Saímos para almoçar. Saímos para tomar café-da-manhã, brunch, chá da tarde e ceiar. Nunca comi tão bem. Ele sim sabia viver: comer, beber, dormir, transar. Ele queria ter prazer todos os dias da vida, nenhum podia faltar. A vida ao lado dele era ótima até ele começar a teimar. Teimava feito mula; não touro. Era possessivo e não mudava. Senti falta dele mas precisei terminar. Vai que ele decidia me amarrar.

Eis que me encantei por um geminiano. Ele falava, falava, falava sem parar. Ainda assim nunca entendi o que ele pensava. Acho que nem ele mesmo se entendia. Estava sempre pensando em uma opinião para mudar. Era a alegria em pessoa e contagiava minha vida. Pena que mudou de opinião rápido demais e foi espalhar alegria em outro lugar. Só acho que não custava avisar.

Saí meia dúzia de vezes com um canceriano e ele logo falou em casar. Me apresentou para a mãe e disse que pretende morar sempre com ela, nunca a deixar. Me assustei mas achei fofo. Ele era romântico e cuidadoso: queria mesmo me mimar. Fazia drama por quase tudo e eu me vi obrigada a partir quando ele quis que eu assinasse um contrato me comprometendo a nunca terminar. Coisa difícil de jurar.

Avistei um leonino e me apaixonei à primeira vista. Tão discreto quanto um javali de saia, só ele queria brilhar. Era o centro de tudo, era o centro do mundo e eu estava ali só para admirá-lo reinar. Era a generosidade em pessoa. Fazia tudo para conquistar mais um admirador para o seu bando e o amor só acabou quando eu, num instante de insanidade, pensei na estranha possibilidade de liderar.

Comecei a sair com um virginiano e morria de medo de me sujar. Ele corrigia qualquer verbo conjugado às pressas, reparava em unhas descascadas, roupas amassadas e assim que me via, vinha me cheirar. Ele era ótimo. A retidão em pessoa. Fazia tudo certinho e o amor só acabou no dia em que eu derrubei shoyu numa calça branca e ele ficou com agonia até de olhar.

Me apaixonei por um libriano e descobri que metade do mundo também. Ele era lindo, simpático e charmoso e eu até fingia não ver o telefone dele tocar porque ele fazia de tudo para me agradar. Era a diplomacia em pessoa. O amor só acabou porque eu pedi para ele escolher um restaurante para a gente jantar. Ele ficava confuso com esse negócio de escolhas. Estou esperando até agora ele me ligar.

Conheci um escorpiano e nem sei por onde começar. A gente mal se conhecia e ele já sabia o nome e o RG de todos os meus ex-namorados. Era perito em stalkear. Tinha ciúme até da sombra mas no começo fingia nem ligar. Tinha casca grossa, coração mole e pensava o tempo todo em transar.  Queria sossego mas não conseguia desestressar. Tive que deixá-lo porque já estava cansada de lembrar da briga da primeira semana. Ele não consegue esquecer. Liga até hoje para me xingar.

Esbarrei com um sagitariano e me encantei pelas piadinhas sem graça e o jeitinho sexy sem ser vulgar. Ele era incrível. Só pensava em viajar. Estava a cada hora em um lugar. Vivi aventuras incríveis ao lado dele e não sei porque caí na besteira de pedir para ele sossegar. Vai ver foi por isso que ele decidiu terminar.

Conheci um capricorniano e me apaixonei por tamanho foco e responsabilidade. Ele era curto, grosso e objetivo: só pensava em trabalhar. Fazia planos. Tabelas. Planilhas. Fazia contas até para o bate e volta no Guarujá. Um dia pedi um dinheiro emprestado e ele sumiu. Já arrumei o dinheiro. Estou esperando ele voltar.
Me encantei por um aquariano exótico com quem cruzei por aí. Ele se vestia da maneira como bem entendia e vivia em um mundinho particular. Era divertidamente apaixonante mas nem ele sabia o que queria. Dizia que tinha medo de se envolver e era perito em não me responder. Só sei que tudo ia muito bem até que eu mandei uma mensagem e estou há uns 2 anos esperando ele visualizar. Vai entender.

Por fim conheci um pisciano. Sensível como ele só, fazia caridade e tinha uma baita espiritualidade. Sonhava acordado sem parar e vira e mexe eu tinha que gritar: “volta pra Terra, meu filho, para de viajar.” Se distraía nos próprios sonhos e era a pessoa mais bondosa do mundo. Só tive que terminar porque ele se distraía, me deixava falando sozinha e sabe como é: às vezes é bom ter alguém na Terra para conversar.

Brincadeiras à parte, só sei que sou grata às diversões que todas as paixões já me proporcionaram e me alegro genuinamente por ter aprendido tantas coisas interessantes com as individualidades de cada ser humano com quem já compartilhei meu tempo. Quero continuar a me apaixonar e a me entregar porque no fim das contas o importante é isso: rir das nossas experiências e carregar conosco só o melhor do que as pessoas puderam proporcionar. Mesmo os arianos. (É só brincadeira. Não precisam brigar.) Hahahaha

Comentários