Como você imagina seu futuro? Esta foto é sua?

Como você imagina seu futuro?

Fala pessoal, tudo bem?

Então, mais um ano começou e para o meu primeiro post deste ano, eu trouxe para vocês algo com o intuito de sempre, simples que, quem sabe, pode gerar uma pequena revolução em cada um de vocês. Mudança esta em que você é o único responsável por ela, o único.

Hoje trago um vídeo sensacional que indaga justamente o que você está vendo lá em cima no título deste post. Como você imagina seu futuro? Você acredita em um futuro melhor? Olha as coisas ao redor e acredita em uma mudança? Já desistiu dos seus sonhos? Você reclama muito? Sua reclamação tem fundamento real? Bom, vocês têm que buscar estas respostas. E o vídeo no qual falei exclama: Ainda dá tempo! Acredite, ainda dá tempo de mudar:

Demais, não?

Pois é, mais um ano inicia-se e com ele são mais 365 dias, 365 chances de você fazer valer à pena seu futuro, com aprendizados do passado e vida no seu presente. São essas experiências que moldam você, porque seja em um período bom ou ruim, você tem que saber que vai passar e o que fica é esse charme de viver.

Particularmente encaro o Ano Novo como uma data normal, porque acredito que cada dia é um dia inédito e por mais que a gente tenha uma pequena impressão de como vai ser, nunca é do jeito que imaginamos de fato. Mas aproveite esta data, este novo ciclo, este novo de novo para chacoalhar alguns planos que podem acabar ficando engavetado na sua cabeça, mude de postura, faça algo que lhe meta medo de verdade, sorria mais, junte alguns segundos de coragem e tome uma atitude, distribua amor, realize coisas com tesão, faça aquela viagem, termine aquele livro, ouça uma música nova, cante no chuveiro, não poupe palavras gostosas e sinceras com/para alguém, curta a família, erre, aprenda, faça um esporte novo, equilibre a mente e o corpo, veja filmes e desbrave mais. Ainda dá tempo (de mudar).

Porque seu futuro é legado do que você realiza hoje. Pra você, e para as futuras gerações.

Que venha 2014, com mais experiências de estar vivo.

Comentários