Esta foto é sua?

Ele é cafajeste e agora?

“Ele é um grande cafajeste. E agora?”

Essa é uma pergunta que ronda milhares de cabeças femininas por aí depois da constatação de que aquele cara, às vezes maravilhoso, às vezes meia-boca, é um tremendo de um cafa que só queria sexo e nem sequer se deu ao trabalho de dizer isso: preferiu largar tudo dito nas entrelinhas.

Pra começo de conversa, se o cara é do tipo “meia-boca” fica fácil usar o argumento do “esqueça”. E mesmo que você venha rebatendo que ele é incrível na cama, eu posso te garantir que sexo bom você encontra com facilidade por aí. Ok, nem tão fácil, mas é mais tranquilo de achar do que o Amor Verdadeiro.

Agora, se você acha que o rapaz é o ÚLTIMO BISCOITO DO PACOTE (é biscoito, não é bolacha), que só ele te faz se sentir plena, que o oral nunca foi tão maravilhoso, que os orgasmos nunca foram tão intensos, que ele te faz se sentir uma mulher privilegiada, etc. Bom, nesse caso, fica difícil usar o argumento citado acima.

É preciso aumentar a artilharia.

Sou um cara bem prático e simples. Se ele é cafa, mas você já sabe disso e topa ficar com ele mesmo assim, pra que o drama? Por que encher o saco das amigas? Você quer casar, constituir uma família e sossegar? Se a resposta for “sim”, obviamente você está se enrolando o cara errado. Se a resposta for “não”, qual seria o problema de vocês ficarem juntos um tempo enquanto estiver legal para ambos?

Ah, sei, você tem medo de se envolver. Se machucar. Entrar só com a pontinha do pé na água e sentir que uma força muito maior pode acabar te puxando e te afogando? Bom, eu não posso te garantir que nada disso vai acontecer. O coração tem, sim, mistérios bem difíceis de se compreender. Mas, sendo bem sincero, eu sou contra aquilo de “vamos nos afastar antes que dê merda”.

Vai da consciência de cada um.

O momento mais importante nesse rolo todo é aquele em que ele quer te ver de novo, manda uma mensagem (sabe-se lá depois de quanto tempo) e você pensa “e agora?”. Não é todo mundo que realmente tá disposto a ficar como estepe ou rolo casual de alguém. Não é todo mundo que banca sair só para aquela coisa certa sem se sentir de certa forma usado. Não é todo mundo que sabe colocar só a ponta do pé sem se jogar.

Voltando ao início da história, bom mesmo é saber onde você está pisando. Independente dele ser meio-bosta ou um cara perfeito que tem esse desvio de conduta de ser um pouco cafajeste, primordial é deixar claras as intenções. Dos maiores problemas que se pode encontrar nessa situação, a falta de clareza no que se quer é o que realmente acaba machucando.

Quanto mais claras as intenções, mais saudáveis são as relações. Combinando direitinho, não sai caro pra ninguém. Muito menos pro coração.

Comentários