"Ele faz tudo por mim, mas não quero ficar com ele" Esta foto é sua?

“Ele faz tudo por mim, mas não quero ficar com ele”

Que mulher nunca se envolveu com o cara bonzinho, que fazia tudo por ela, mas que não tirava os pés dela do chão?

Os homens que tem esse perfil não conseguem entender como pode uma mulher recusar tanto amor para ficar nos braços de caras escrotos e cafajestes. Vou tentar explicar qual o problema de ser bonzinho.

Existe uma diferença entre ser bom ou prestativo e ser bonzinho, no primeiro caso é uma escolha consciente, bem pensada, articulada, eletiva e proporcional à necessidade em jogo. Nesse caso é uma ajuda ponderada, cuidadosa que tem por objetivo beneficiar realmente a outra pessoa sem que pra isso exista uma recíproca ou correspondência.

O cara bonzinho oferece uma ajuda exagerada surgida de uma base de carência, fragilidade e necessidade de aprovação recíproca. Ele ajuda acreditando que está desprendido de resultado, quando tem uma demanda gigantesca e reprimida por afeto e atenção exclusiva.

Esse tipo de ajuda tem um afeito duplamente negativo sobre a mulher em questão, pois ela se sente endividada e pressionada com tanta ajuda recebida ao mesmo tempo que não tem espaço para fazer algo espontâneo e agradável como contrapartida. Esse fluxo de ida e volta se torna tão disfuncional que ela passa a ver o cara como alguém aflito por atenção. Esse cuidado todo, aliás, não deixa de ser uma tática, ainda que inconsciente, de aprisionar a outra em favores pessoais.

E como isso afeta o relacionamento? A admiração e o desejo surgem quando alguém nota uma força pessoal associada a segurança e estabilidade, no caso do cara bonzinho isso não existe. Ele se comporta como alguém que não está seguro de si e está passivo diante da vida e dos movimentos de sua parceira. Normalmente ele apenas reage às circunstâncias e age como uma marionete dos caprichos dela, mas com o tempo isso desgasta a confiança mútua e cria ressentimento. No entanto, o cara bonzinho nunca admitirá esse amargor e passará a ter um comportamento veladamente raivoso pressionando cada vez mais, sendo irônico, soltando comentários do tipo “faço tudo por você e não ganho nada com isso”.

O ciclo se fecha a tal ponto que a mulher se sente culpada por não sentir nada por ele, além de ouvir das amigas que ele é o cara perfeito e ela está jogando fora uma oportunidade de ouro. É difícil explicar por que mesmo recebendo tudo isso não parece ser suficiente.

Enquanto esse cara não perceber como está perdido num jogo emocional infantil de agradabilidade excessiva não conseguirá um relacionamento de verdade. Ele tomará um pé na bunda e se convencerá que a mulher não fez por merecer até encontrar outra garota onde o ciclo recomeça com mais intensidade. Para garantir que não será deixado novamente forçará mais a barra convencido de que dando tudo de si poderá garantir o sucesso da relação.

Portanto, até para doar amor é preciso saber o timming certo entre dar e receber, valorizar e ser valorizado para que o amor cresça num ritmo natural e não ansioso e desesperado. É como fazer um bolo, se você abrir o forno antes da hora vai desandar.

Comentários