Esta foto é sua?

Eu quero terminar

Me questionaste com a alma empunhada, já trincando entre o desespero e a esperança, se era isso mesmo que eu queria, terminar aquilo que nem começamos direto. Respondi que sim, que era o fim de todos os nossos finais de semana, dos planos e viagens que não tiveram coragem de sair do papel e dos sonhos que acordaram atrasados para a realidade.

Da minha parte, era o descontrole da inocência, tentando escolher o caminho menos tortuoso para te proteger de ti mesmo, sem que fosse preciso me machucar. Da tua, o fervor descontrolado da posse. O ciúme dos cheiros que não senti, das bocas que não beijei e do passado que batia meus calcanhares, mesmo eu já o tendo chutado para escanteio.

Nem de perto eu te queria longe, mas o medo de permanecer na presença da tua figura imperativa, que gritava aos quatro quantos, me fez preferir o silêncio e a saudade das coisas boas. Era eu, o próprio cordeiro vestindo uma pele de lobo que não me cabia. O infiel que sequer teve tempo para te trair pois estava ocupado demais se justificando pelos minutos que ficou sem bateria no celular para responder tuas mensagens.

Pois bem, agora é só recolher as tralhas e seguir em frente. Sem despedidas afetuosas. Abandonar o barco e desfazer os nós, em um “eu” e um “tu”, cair no mar que nos habitava antes de chegarmos até aqui, deixando o frio balbuciar as ideias, enquanto respiramos os enganos da maneira mais profunda possível, tentando fazer com que eles se transformem em aprendizado.

Não posso me culpar por não termos dado certo, não da forma como gostarias que eu fizesse, implorando por uma segunda chance, agindo conforme as tuas vontades, assim na terra como no céu. Tu conseguiu transformar nossa relação em um verdadeiro inferno, e não penses que isso também não me dói porque dói, machuca a ponto de me fazer perder o interesse em qualquer uma das tuas qualidades.

Me desculpe pelo desabafo, mas não quero que guardes de mim, coisas que não te pertencem como rancor, arrependimento ou tristeza. Me tenhas como uma memória boa, daquelas que te fazem sorrir em dias difíceis. Ao lembrar de mim, deseje o melhor, bem como eu faço todas as vezes que compartilho a tua falta com um cigarro e a minha varanda.

Daqui em diante, tente não se atentar demais a detalhes invisíveis, e evite se envolver com outra pessoa, enquanto não estiveres totalmente envolvido contigo. Remendar nossa história para breve final de infelizes para sempre, seria o mesmo que tentar encaixar a tampa de uma panela com um a metade de uma laranja, impossível. Juro, não tentei escapar daquilo que eu sentia, foi tu que fez questão de deixar que o nosso amor fugisse para nunca mais voltar.

Comentários