Homens não estão preparados para o fim Esta foto é sua?

Homens não estão preparados para o fim

Uma reportagem na Folha de São Paulo retratou uma realidade que ignoramos:

“Maioria dos moradores de rua são homens desiludidos com o amor. 92% dos moradores de rua são homens e uma grande parte é usuária de drogas, ingere álcool com frequência e já sofreu alguma desilusão amorosa.”

Sim, queridas leitoras, os homens – aqueles aparentemente indestrutíveis – estão despreparados na maior parte das vezes para tomar um pé na bunda. Não que isso os façam vítimas da vida, mas é curioso notar que nem sempre investigamos com cuidado nossos preconceitos.

Ao ver aquele rapaz de cabelo montado, camiseta forçada rente ao braço, com copo de vodka e energético pirando na balada e beijando o pescoço das menininha que encontra, não perguntamos por ele de fato. Acreditamos naquela encenação, embarcamos no personagem que ele veio construindo durante anos para se proteger do inalienável medo humano de ser passado para trás, abandonado ou parecer dispensável.

Quem desconfiaria de um bonitão ou de uma gostosona cheios de pose? Para ser inteligente é preciso colocar um ponto de interrogação nas nossas certezas. Quando se trata de seres humanos o cuidado é redobrado. Homens foram educados para vencer, tirar notas altas, se destacar nos esportes, conquistar garotas e triunfar no mercado de trabalho, mas não foram nem de longe ensinados a gerenciar frustrações.

Os homens das antigas estão ainda mais despreparados para lidar com a quebra de uma identidade pessoal como a ideia de ser um chefe de família respeitável. As desilusões amorosas que sofreram não foram gratuitas, provavelmente do alto de sua rigidez – a mesma que os fez desistir de tudo – nem notavam com precisão a existência de uma companheira por perto. O relacionamento minguou e eles nem se deram conta que colaboraram para o término. Como é muito comum. Depois de tomarem um pé na bunda entraram num mar de autopiedade até que foram se rendendo à bebida e até minarem completamente seu pertencimento social.

Já vi muito marmanjo, e eu me incluo, relatando suas dores pós-término como se fosse uma criança desprotegida mesmo que do lado de fora estivesse exibindo uma vida cheia de aventuras e conquistas sexuais. Insisto, não comprem a primeira imagem que um homem vende.

Para homens e mulheres que passaram por perdas e desilusões do amor faço o convite “Como se libertar do ex” [http://treinosobreavida.com.br]

Comentários