Irmãos sempre e para sempre

Sabe, irmã, sempre fui da opinião de que nada traz mais intimidade do que dividir o mesmo teto. Sobretudo quando esse teto é o útero. Sei que nunca convivemos lá dentro. Você saiu, eu entrei. Mas também sei que naquela sacolinha escura, quente e úmida eu já carregava muito mais de você do que eu poderia imaginar. Afinal, tem um negocinho chamado genética que faz de nós parecidas mesmo antes de nós duas termos decidido torcer para o Palmeiras. Gostar de System of a Down. Ter um projeto de mundo onde a desigualdade social é a primeira coisa a ser combatida. Odiar acordar cedo.

Esse negocinho chamado genética, por feliz coincidência – ou simplesmente por ser genética –, aproveitou muito do seu molde pra me fazer. Cabelos castanhos e lisos. Pele clara. Estatura baixa. Narizinho de batata. Miopia. Sorriso com quarenta dentes. E todas as outras características que nós tanto odiávamos ter em comum há uns vinte anos, porque instigava aquele bando de gente enxerida a nos parar nos corredores do supermercado pra perguntar se éramos gêmeas. De corpo definitivamente não – há um ano e três meses que nos separam. Mas de alma eu às vezes chego a pensar que sim.

Dizem que família a gente não escolhe. Bem, há controvérsias. Porque eu não escolheria outro lugar no mundo que não a mesma casa que você. Aquele quintal minúsculo onde a gente dava voltas e mais voltas de bicicleta. Aquele quarto com aquela mesinha onde você, aos cinco anos, encarnou a professorinha e me ensinou a ler e a escrever com quatro. Aquela sala com aquele carpete onde eu detonava os joelhos, chorava e quase sempre sobrava pra você. Aquele monte de lugar com esse monte de lembrança.

E sempre que me pego lembrando da gente – ou vivendo a gente – me pergunto como há irmãos que conseguem se odiar. Pra mim, o motivo para se odiar um irmão tende sempre a ser torpe. Porque um irmão é insuportavelmente chato quando quer. E tão mandão que até beira o despotismo. E tão folgado que a gente se pergunta por quantos minutos sambou na cara de Jesus crucificado pra ter merecido isso. E tão estúpido que até uma mordida de jiló soa mais doce. Mas é que irmão tem licença poética.

Porque irmãos sempre conhecem cada centímetro das nossas virtudes e cada milímetro dos nossos defeitos – muito mais do que os nossos ~BFFs~. E sempre sabem a maneira mais eficiente de nos fazer sorrir ou de nos deixar profundamente irritados. E sempre têm os melhores argumentos para nos convencer ou para nos fazer desistir. E sempre têm o melhor abraço na ausência de um abraço de mãe.

Porque irmãos sempre são de casa. Porque irmãos sempre são casa. Porque irmãos sempre. E pra sempre.

Comentar sobre Irmãos sempre e para sempre

29 comentários abaixo sobre Irmãos sempre e para sempre

  • Ingrid Vanzeli disse:

    Sou gêmea, e estou distante do meu irmão a 9 meses. Não existe uma palavra para descrever a falta que ele faz! Antes eu passava o dia todo na cola dele, e claro sempre brigando porque a vida e assim….. E é por ela ser assim que hoje estamos a quilômetros de distancia.

    • Bruna Molon Grotti disse:

      Que bom que existe internet pra encurtar distâncias, né, Ingrid? E certamente, quando vocês se reencontrarem, vai ser mais gostoso ainda =)

      • Ingrid Vanzeli disse:

        Eita que felicidade receber a notificação de sua resposta. Ainda bem Bruna ;) Para nossa alegria rsrs

  • Nadhia Dantas disse:

    Que texto mais lindo, Bruna!
    Eu como não tenho irmãos de sangue, vou compartilhar para os meus irmãos de coração ❤️

  • Aryane Rodrigues disse:

    Brunaaa, amando cada palavra desse texto <3
    Não tive essa sorte, a genética não me deu alguém assim. Mas a vida é tão maravilhosa que me trouxe alguém com quem eu sinto a mesma sintonia descrita, minha irmã, que não é de sangue, mas é de alma e coração :) Ela chegou eu tinha 11 anos e eu só agradeço por Deus ter me mandado alguém assim – exatamente assim como você descreveu <3

    #ameiotexto #suairmãdevetáserelepe #haha

    • Bruna Molon Grotti disse:

      O que vale é o que tá no coração. Pode crer que vocês são mais irmãs do que muitos irmãos de sangue, Aryane. Obrigada pelo carinho e pela leitura <3

      • Aryane Rodrigues disse:

        Muito amor por esse blog e pelo carinho de cada um de vocês com a gente <3 Muito bacana essa interatividade! Beijo, Bruna!

      • Bruna Molon Grotti disse:

        Outro pra você, Aryane!

  • Manuela Silveira disse:

    Que textoooooooo MARAAAAAAAAAAAAAAAA .

  • Frederico Stewers Elboni Frederico Stewers Elboni disse:

    QUERO IRMÃOS, AGORA! hahaha :/

  • Dália Oliveira disse:

    Que texto lindo <3 <3 <3

  • Dália Oliveira disse:

    Que texto lindo!

  • Cristina Rodrigues disse:

    Lindooooo

  • Vivianne Beatriz Sena disse:

    Belíssimo texto!

  • Ana Paula Parice disse:

    Ownnn eu amonos meus manos Nick, Louis, João Pedro e Arthur

  • Taís Andrade disse:

    Que lindo o texto!! Pq irmão tem licença poética!!

  • Hanna Moitinho disse:

    Eu aqui procurando palavras bonitinhas pra descrever, pelo menos um tiquinho, o que sinto por vc, ai vem a Bruna e escreve esse texto no dia do se aniversário! o// Viva ela pelas palavras! Viva você pelo seu dia! Viva Mariana! Feliz vida! <3

  • Daniele Monteiro disse:

    Chorei! “Porque irmãos sempre. E para sempre!”

  • Paloma Rangel disse:

    Daí vc acorda e vê que a sua irmã que segue o mesmo blog que vc te marcou num texto que descreve tão perfeitamente a sua infância que parece que o autor estava espiando vcs esse tempo todo, não pude conter as lágrimas!
    Parabéns Bruna Grotti

  • Neyane Gonçalves disse:

    Sério vocês querem me matar. Me bateu uma nostalgia de repente, me lembrei da minha querida irmã mais velha que está no Céu agora, e de tudo de bom que eu vivi ao lado dela. Obrigada Bruna Grotti por me fazer lembrar desse ser abençoado que Deus me deu a oportunidade de conhecer. <3

  • Sara Silva disse:

    Embora eu seja a irmã mais velha e a diferença de idade seja um pouco maior, não tem como não me identificar no texto. E que texto! De uma sensibilidade incrível, Bruna! Me trouxe lágrimas nos olhos e uma nostalgia boa de quando dividia o quarto com a “pirralha” hahaha

  • Dani Queiroz disse:

    Bruna Grotti sua linda, me emocionei pois sua historia super conhecidiu com a minha, tenho uma irmã linda e sim amamos o System of a down! Gratidão e Sucesso!

  • Ana Heidern disse:

    Escorreu até uma lágrima. :’)

  • Lana Silva disse:

    Quando minha mãe engravidou da minha irmã fiquei morrendo de ciumes, e hoje ela e mais que uma irmã, ela e minha filha, meu tudo, minha Lara Jean. Minha princesa, meu tudo.

  • Amanda Salustiano disse:

    Bruuunaaaa como ousa me deixar em prantos ao fim do texto ?! Não, não foi um cisco, eu estou em lágrimas, que lindo, que encantador, que … Não tenho palavras … E o mais engraçado é que alguns detalhes se encaixam na minha história … Rs
    Genética que nos fez tão parecidas a ponto das pessoas perguntarem se somos gêmeas (msm com 4 anos de diferença – vai entender) torcer para o Palmeiras (#AvantiPalestra) Gostar do mesmo estilo musical, sem forçar a barra … E sempre tem o melhor abraço na ausência de mãe <3
    E em cada lembrança sua me fez relembrar as minhas …
    Só espero que meus filhos possam ter essa conexão e tanta lembrança boa tbm …
    Obrigada por esse texto! Que incrível …