Meta para o ano novo: ser trouxa, sim

Um dos desejos mais frequentes na virada do ano é o deixar de ser trouxa. Mas posso te contar uma coisa? Se você foi feito de trouxa é porque se permitiu errar; se permitiu viver. Não se culpe pelo fato de uma outra pessoa não ter dado abrigo ao sentimento que você tinha a oferecer. Seja trouxa, sim! Sabe por quê?

Se você foi feito de trouxa significa que foi capaz de acreditar em algo que não saiu da forma que você planejava. Pode ser que você tenha sido vítima de uma traição, que esperou por promessas que não foram cumpridas, ou que foi capaz de enxergar a esperança em um situação onde já não havia mais saída.

E sabe o que isso quer dizer? Que você tem coragem. Muita coragem. Isso quer dizer que você não é dessas pessoas que observam a vida passar com os olhos vendados. Isso quer dizer que você prefere pagar pra ver, que você prefere sentir; mesmo que no final tenha que sentir muito por não poder sentir mais nada.

Ser trouxa é ter a capacidadee de se arriscar em busca da sua própria felicidade. E se as coisas não derem certo, tudo bem, é só limpar a poeira e seguir em frente com a certeza de que você fez a sua parte.

Ser trouxa é dizer “eu te amo” antes da hora, é esperar pela ligação de madrugada, pela mensagem de “bom dia” na manhã seguinte daquele encontro que tirou o seu sono. Ser trouxa é não ter medo de quebrar a cara por saber que você é capaz de se despedaçar se for para te ver feliz.

Ser trouxa é entender que a vida não permite ensaios. É subir no palco sem decorar a fala, mas terminar dizendo tudo o que você sente.

Ser trouxa é sentir demais. E quem sente demais, vive.

Então, comece o ano sendo trouxa, sim. Só para chegar em dezembro com a certeza de que esse trouxa aí viveu pra caralho.

Comentar sobre Meta para o ano novo: ser trouxa, sim