Não morra sem: se inquietar depois de assistir Clube da Luta Esta foto é sua?

Veja e se inquiete depois de assistir Clube da Luta

Antes de curtir a leitura, adianto uma coisa: Clube da Luta não é um filme estritamente, literalmente, focado em e sobre lutas. Muito além disso, é sobre a vida, como a levamos e sobre como nossa sociedade hoje se comporta de maneira geral.

Bom, por onde começar para falar de um filme que quase explodiu meus neurônios e me fez repensar sobre várias coisas, ditames e convicções sobre e para com a vida, além de como eu gostaria que ela fosse?

Baseado no livro homônimo do escritor Chuck Palahniuk, Clube da Luta é um longa que foi lançado em 1999 e tem a direção de David Fincher (Seven, A Rede Social e a versão americana de Millennium: Os Homens que não Amavam as Mulheres), com uma trilha matadora do Pixies e um elenco formado por nada mais, nada menos por Brad Pitt, Edward Norton, Helena Bonham Carter e Jared Leto também dá o ar de sua graça, e apresenta uma trama elaborada e um soco no estômago com pensamentos e inúmeras, mas inúmeras mesmo, frases de impacto que fazem você repensar sobre coisas como consumismo, capitalismo e nossa sociedade moderna.

As coisas que você possui acabam possuindo você”

Contado sob o viés do protagonista que em momento algum fala seu nome e se autodenomina ‘Jack’ por conta de alguns papéis achados em uma velha casa, ele conta a jornada da sua saída de sua zona de conforto, vida sem graça, perfeita e sem grandes surpresas. Sua vida segue um perfeito manual sobre como acabamos nos submetendo a coisas sem sentido em prol a vontades, imposições e desejos alheios que, muita das vezes, sufoca e mata nossos próprios sonhos, inquietações, dúvidas e realizações.

A cadeia de eventos que se desenrola durante o filme faz você repensar sobre desde aquele ‘inocente’ sabonete na prateleira do supermercado, a filmes e artistas que você admira e, principalmente, o seu emprego, até atitudes e pensamentos em uma jornada profunda que faz você se ver em alguns aspectos, tanto quanto essa busca por tentar entender porque sua vida não é boa, até enxergar que você fica bem ao olhar a desgraça alheia. Isso tudo levanta um questionamento sobre o porquê disso, ao invés de apontar uma possível solução consigo e com outra pessoa.

Como falei no início do post, Clube da Luta é muito mais que um filme sobre luta, na verdade atua mais como um grupo de terapia que funciona como uma maneira de descarregar as energias depois de um dia cheio desempenhando papéis que, algumas das vezes, não somos nós. A luta em si é por um propósito e mensagem bem além, além de qualquer mensagem barata, é uma ideia para fomentar discussões e constante embate nessa nossa jornada para desempenharmos nosso melhor no que nos propomos ser, é um filme sobre transição, libertação, identificação, nossos sonhos, sobre a maneira de como encaramos as coisas, sair da nossa zona de conforto, um grito para fazer valer a pena nossa passagem por esse plano, sobre aprendizado, sobre amadurecimento, é, sobretudo, sobre a vida.

Como fiz no post sobre o filme Na Natureza Selvagem, não vou entregar o desfecho do filme, deixo isso por conta de vocês. E de verdade, depois de assistir, verá que você não poderia ter morrido sem ver esta obra prima. Até porque: Esta é a sua vida, e ela está acabando um minuto de cada vez“.

PS¹: Espero pessoas com comentários do tipo: ‘Ele quebrou a primeira regra!’.

PS²: Que regras são essas? Assista ao filme, entenda e desfrute.

PS³: Espero que sua mente exploda como a minha explodiu. ‘Você me conheceu numa época muito estranha da minha vida’.

Comentários