Nosso corpo é testemunha Esta foto é sua?

Nosso corpo é testemunha

Senta comigo na varanda e te entrega como uma carta sem endereço. Descarta os pensamentos inóspitos, sente o vento na nuca e minha mão nas suas coxas macias e arrepiadas e me olha como quem faz meu mapa.

Tira a roupa pra mim e me devora. Me joga na parede, no chão, dentro de ti e esquece o que sabes, deixa eu te guiar, com aquele tão sábio, instinto de amar. Deixa eu te morder como quem chupa. E chupar como quem beija. Te comer todinha. Doce. Ah, como és gostosa!

Valseia em cima de mim e sorri no meio do beijo, deixa eu achar que é só pra mim. Dança e seduz, vive comigo a intensidade de um momento que pede tapas em forma de carinho e beijos em forma de agressão manhosa. Mantém o beijo prensado, segura meu braço de forma trêmula e deixa o vento acariciar as nossas nucas. Viva esse amor repentino como se a gente nem precisasse se perder na rotina de novo. Como se a gente nem precisasse ter medo dos ineditismos do mundo. Como se a gente nem precisasse da esperança de um amanhã.

Adoro te olhar intrínseca a mim, de cabelo solto e lábios presos, mendigando cafuné. Não disfarça. Eu também gosto, meu corpo é testemunha. Repousa a meu lado e me beija manso. Mas não com intuito somente de beijar, mas de silenciar bocas e almas que ofegam entre olhares tão suaves e risonhos como os nossos. Só deixe as nossas pernas se confundirem…

Comentários