Esta foto é sua?

O desgaste sentimental que nos permitimos

Começo a escrever esse texto já cansada. Cansada de relações rasas, cansada de investir energia onde não há reciprocidade, cansada de não desistir de ficar quando todos já foram embora há tempo.

É isso. Você vai oferecer o seu melhor pra alguém e não vai fazer a menor diferença pro outro. Você vai se desdobrar em mil e o outro não vai ligar. Você vai esperar muito do e não vai receber nada. Você vai esperar pouco e, ainda assim, não vai receber nada.

Tem gente que dá, que recarrega, que transborda. Tem gente que tira, subtrai, desgasta. Mas, por sentimento, a gente insiste, né?! A gente tenta. De peito rasgado, ferida exposta, fratura sentimental, mas a gente tenta.

Carrega o peso do sentir por dois. O que acontece? Desgaste em dobro. Conheço várias (várias mesmo) pessoas que se desgastaram nas últimas relações. Disseram para mim: “Eu tô destruída por dentro”, “minha saúde emocional foi pro lixo”, “eu nem me reconheço mais”, entre tantas outras frases fortes, pesadas, tristes e carregadas de verdade.

Por que a gente se permite isso? Por que a gente se permite perder tanto por quem não oferece nada, só nos tira? Será falta de autoestima, amor-próprio? Será carência, medo de solidão? Por que a gente faz isso com a gente?

Essa mania de intensidade, de ser inteiro, mesmo que partido, de se entregar sem medo… Talvez seja isso. Mas, cara… Isso me preocupa. Estamos cada vez mais desgastados, relacionamento após relacionamento. E isso vale para todos os tipos de relação.

Sabe o que eu acho? Vale mais olhar pra dentro, encarar os traumas, os medos, os vazios e procurar saber o porquê da gente se permitir desgastar tanto tentando fazer o outro ficar, quando tantos outros podem chegar, ou não. A gente precisa aprender a lidar com essa inconstância da vida, com as passagens, com os “olás” despretensiosos e com os “adeus” dolorosos.

A gente precisa parar de se desgastar por quem vê a gente desaparecer bem na sua frente e não faz nada. Nada.

Comentários