Esta foto é sua?

Pessoas são universos guardados em garrafas

Imagino as pessoas como aqueles potes onde se guarda o universo. É estranho revelar isso, mas, quando ganhei um pote desses, não pensei muito no que ele continha pra ficar bonito. “Guardaram o universo numa garrafinha e me deram de presente” eu falava.

E só. Era só isso.

Acho que assim que conhecemos alguém, enxergamos uma beleza diferente da que nos deparamos mais tarde.

Depois de um tempo passando todos os dias por aquela garrafinha na estante do meu quarto reparei que ela havia sido feita de algodão e glitter. Com certeza tinha glitter ali dentro! Me veio à cabeça a marca no ombro direito da minha namorada, que antes era apenas uma marca bonita em formato de lua minguante. E hoje é ainda mais bonita, quando descobri que essa lua, na verdade, é uma cicatriz de uma vez que ela subiu numa árvore pra ver o sol se pôr e caiu. Caiu e ganhou uma lua.

Quando eu pensei já estar me enjoando da garrafinha na estante, percebi que também tinham colocado corante para que ela ficasse azul daquela forma. Como eu não havia visto isso?!

E me lembrei, então, de um amigo que me olhou e disse que havia cansado de ser forte o tempo inteiro. Eu conheço esse cara há mais de dez anos e ele nunca chorou na minha frente. Notei que ele ficou ainda mais bonito quando se despiu da armadura pesada em seu corpo e derramou algumas lágrimas.
Água!

É claro que a garrafinha precisa de água para somar com a tinta, o algodão, o glitter e virar um universo.

O pote que vejo na minha estante hoje parece ser diferente do que ganhei, meses atrás. Fui vendo que existe uma beleza contida no sabor das constantes descobertas. As pessoas são universos que guardamos em um pote a nos surpreender diariamente; e a simplicidade dessas surpresas não torna esse universo menos importante.

Pelo contrário.

É provável que amanhã eu descubra algo novo dentro da minha garrafa. Torço pra que isso aconteça, porque o que há dentro dela é algo infinito, assim como a beleza dessas pessoas que conhecemos e, porventura, amamos.

Comentários