Sapiossexual: aquele que é atraído sexualmente pela inteligência Esta foto é sua?

Sapiossexual – A inteligência que realmente nos interessa

“Sapiossexual: Aquele que é atraído sexualmente pela inteligência, visão de mundo, bagagem de conhecimento e/ou nível cultural alheio.”

A identificação imediata que este termo me causou me fez sentir um tanto culpada por tamanha nojentisse pseudointelectual. Como assim excitada pela inteligência alheia? É ter orgasmos com uma explicação genial sobre a teoria da relatividade? Convidar o gênio semi-virgem da faculdade pra uma conversa de pé de ouvido? Cruzes!

Mas eu me perdoei rápido por essa culpa injusta: é que entendi – e tratei de me convencer – que a inteligência que nos interessa não é essa inteligência monótona de quem decora fórmulas matemáticas que nunca usou e nunca usará, paga de intelectualzóide nas redes sociais e usa – mesmo em conversas informais – termos gigantes e complicados que até a sua avó consideraria antiquados.

A Inteligência que realmente seduz nove entre dez mulheres – e homens, acredito – é aquela que poderia ser mais adequadamente denominada ‘sapiência’. É a inteligência sutil, despretensiosa, de quem não busca se afirmar, mas se revela aos poucos, o mais naturalmente possível.

É a inteligência de quem conhece de música – leia-se: de boa música – de quem sabe portar-se em qualquer discussão – mesmo naquelas sobre um assunto sobre o qual não tenha absoluto conhecimento. De quem discute política mundial sem parecer pedante e consegue falar de filosofia sem ser monótono. De quem já leu bons livros e já viu bons filmes – veja bem, não precisa ser o maior entendedor de Almodóvar e Tarantino, nem ter lido Nietzsche na adolescência, entende? Basta ter sobre o que conversar. Basta ser minimamente interessante.

O segredo, na verdade, está no equilíbrio. Na fala pensada e no silêncio oportuno. E, principalmente, na falta de vontade de provar que conhece, que sabe. O segredo está na inteligência que se revela nos detalhes, nas entrelinhas.

É como num prato bem feito: se o tempero sobressai demais, enjoa. Torna-se indesejado, inoportuno. Mas, se ele se revela no finalzinho do paladar, torna-se a verdadeira cereja do bolo. Deixa aquele gosto de quero mais que nos faz repetir quantas vezes nossa fome permitir.

A inteligência que nos interessa é inteligência dosada, conveniente, charmosa. A fusão exata das múltiplas capacidades humanas – inteligência pessoal, musical, de linguagem – e não precisamente a inteligência convencional e enciclopédica. Mas se há uma certeza nisso tudo, é que a falta absoluta de inteligência – seja lá qual for – é mais brochante que a minha avó pelada dançando I Want to Break Free.

Comentários