Terça com Fred #11

Terça com Fred #11

Essas últimas semanas têm sido uma correria pra mim. Dúvidas, viagens, medo das mudanças e vontade de comer churrasco. Após uma faringite e uma infecção estomacal, aqui estou. Ainda com vontade de comer churrasco.

A novidade é que estou me mudando para São Paulo – voltando, digo – semana que vem, mobiliando a minha casa nova, pronto para morar sozinho, e claro, aprender a fechar a janela sempre que o tempo ameaçar chover. Tenho sérios – mesmo – problemas com lembranças, não lembro de fechar a janela, de desligar o fogão ou dos aniversário das pessoas próximas. Acho que faz parte de mim.

Confesso para vocês que tenho um fascínio por decorar meu próprio lar, meus moveis de jacarandá, meu frigobar da Coca-Cola na sala, meus quadros de filmes, minhas coleções de copinhos, meus abajures de luz aconchegante… Sempre tive uma pira pela iluminação da casa. Obviamente não terei dinheiro para fazer tudo como eu quero, mas essa sensação de “aos poucos vou montando meu espaço e colocando mais de mim” é impagável. Acho tudo isso tão divertido, tão pacificador, tão realizador…

Sabe, estou numa fase bem solitária da vida, mas deliciosa. Solitária pois estou viajando muito e como consequência ficando à mercê dos aeroportos, escrevendo, ouvindo música e só. E por mais que eu esteja rodeado de pessoas – algumas delas com decotes fartos – no fundo estou pensando o que fazer para continuar tateando meus sonhos da mesma forma leve e simples de sempre. Estou numa fase calma, focada e madura. E sexy. Mentira, só queria quebrar o clima mesmo.

Ah, queria lembrar também que hoje lançamos o site do livro! E no site todo dia irei postar uma foto de uma menina (sorrindo, claro) com o livro! É só tirar uma foto sorrindo com o livro e postar no Instagram com a hashtag #umsorrisooudois! Ali no site tem tudo explicado!

Enfim, estava com saudade do nosso papo – reto – aqui. Aquele de varanda, de sorriso e exposição. Só queria dividir essa fase com vocês e se me pedissem um conselho hoje – bem pertinho do ouvido – eu diria: para trás, nem para pegar impulso. Vá, só vá.

Então, hoje, que tal vocês me contarem as experiências, ou expectativas, que vocês tiveram ao irem morar/viajar sozinhas? A solidão, a liberdade, o receio, o orgulho de si…

Quero histórias hoje, histórias…

Comentários