O segredo da felicidade é não ser tão duro consigo mesmo

Sabe o que acontece? Estou, finalmente, sentindo as consequências do passar dos anos. E isso não tem a ver com idade ou dores nas costas. Estou falando sobre o lado bom de envelhecer, saca? Sobre olhar para as primeiras rugas, para os primeiros fios brancos, para a necessidade de ficar em silêncio e de ignorar certas coisas, e pensar: é, acho que amadureci.

Não sou nem de longe a pessoa que eu era há dois, três, cinco anos atrás. Aprendi com as despedidas que ninguém vai embora por acaso. Com as decepções, que sempre tem algo melhor a nossa espera. E com o tempo? Ah, com o tempo eu aprendi o mais importante de tudo: a não ter pressa para viver.

Hoje vivo no meu tempo; um tempo que passa mais lento, confesso, mas que também é mais paciente com os erros dos outros, e principalmente com os meus. Não conto as horas, e muito menos dinheiro. Não perco tempo, e muito menos a paciência. Parei, definitivamente, de cronometrar pessoas e situações que não dependem de mim.

E assim, aprendi que não preciso apressar os ponteiros da vida; porque a felicidade – esse incrível sentimento que a gente vive correndo atrás – está dentro de cada um de nós

Comentar sobre O segredo da felicidade é não ser tão duro consigo mesmo