Esta foto é sua?

Às vezes um carinho cai tão bem…

Me observando agora, neste instante, percebo como tenho uma eterna mania colocar de sentimento em tudo que escrevo. Não que isso seja de todo ruim, longe disso, mas é que nem sempre os sentimentos que me habitam são belos e frutíferos. Na maioria das vezes eles são confusos e cheios de espinhos; ainda desconheço lindas flores que não carregam seus espinhos.

Ultimamente não tenho recebido muito carinho; do mundo, das pessoas que me rodeiam, de mim para comigo mesmo. Estou me sentindo sozinho. Sozinho na multidão. Sozinho nos minutos antes de dormir. Sozinho em vidas que tinham tudo para se encontrar. Sozinho nos filmes que assisto e gostaria de dividir minhas opiniões loucas com alguém. Sozinho nas mensagens que envio e nem anseio mais respostas. Sozinho nos corações que me prometem sol, mas não me garantem um verão por inteiro.

Engraçado como digo ser refém da solidão, mas raramente dou continuidade a amores que não queiram construir uma história. Pessoas lindas, por dentro e por fora, me surgem a cada esquina, mas pessoas que queiram construir beleza, ah… essas são poucas. Vivo e durmo de peito aberto com a solidão, pois, assim decido todas as noites. Infelizmente, não sinto o mesmo prazer por beijos sem sobrenome, e de vazio já resta os cômodos do meu coração.

Em tempos em que se prega tanto um desapego heroico, e que pessoas vêm sofrendo e gastando energia em quedas de braço constantes contra qualquer manifestação que possa ser contrária às suas convicções, eu admito que sinto falta de um beijo carinhoso, de uma mão amiga, de conversas encharcadas de interesse nos pequenos detalhes da vida. Encontrar alguém que se interesse pelos nossos sonhos, pelas brincadeiras que fazemos ao acordar ou pela maneira que rimos dos nossos sofrimentos, hoje, se faz uma raridade.

Na minha saudade cabem lembranças que os lembrados talvez já tenham esquecido. Na verdade, todo os detalhes líricos da minha vida se desenham dessa forma: beijos cheios de saudades e saudades com tão poucos beijos. Agora, perto daquele abajur da sala da minha casa que sempre me faz refletir, me sinto para-raio das minhas saudades, tenho boas lembranças dos carinhos que nunca mais me fizeram. Sendo porto de toda vontade de viver um amor que, como se fosse fácil, só me fizesse bem, estou me sentindo muito sozinho. Triste, mas com sabor de vida real. Por opção própria, faço da solidão a minha companhia, pois, sendo calada, ela não me traz a alegria que me faz suspirar, mas também não me faz testar a profundidade do fundo do poço.

Sem saber o que nos resta de amanhã, os problemas me atropelam no hoje. Abreviando as minhas tristezas em sorrisos que distribuo durante o dia, finjo que estou bem, mas sei que, vivendo nessa constante solidão, cada dia me afundo mais em mim… E, como dizia Caetano: às vezes um carinho cai tão bem.

PS: Na verdade, o “tão” foi licença poética minha, lidou com tantos advérbios de intensidade em meu coração que mais um me pareceu harmonioso.

Comentários