Eu não sinto saudades

Eu senti no passado depois daquelas tantas idas e vindas. A gente começa a lembrar das coisas boas, deixando para lá o que foi de errado.

Sempre admirei essa minha capacidade de recomeçar. Sempre gostei da pessoa que eu sou que é capaz de perdoar. Mas agora eu consigo separar o que é perdoar e o que é tirar da minha vida para não mais me machucar.

Eu não sinto saudades. Não há nada para saudar. Todas as suas palavras agora me soam verdadeiras mentiras. Eu lembro de quando eu estava feliz por conseguir te falar tudo o que tinha pra te falar. Mas quando eu lembro, logo penso que em alguns instantes você iria me apunhalar.

Eu virei espectadora do meu próprio filme. Eu vejo as cenas, eu tento me avisar, mas eu sei que botei emoção demais ali para conseguir me escutar.

A minha intuição gritava. Você não é nada daquilo que você falava.

Você gosta de enganar. Existe um certo domínio nisso pra você, uma maldade singela e pura que espera a próxima vítima para poder empurrar.

Se você gosta do sua ex, sugiro que você vá com “fé”. Há muito de igual nos dois. A gente não pode forçar alguém para gostar de volta. Só que… Eu não queria ter sido feita de idiota.

E você fez. Tenho certeza que se você pudesse, faria outra vez só pelo gosto de me fazer chorar, de me fazer sofrer.

Eu consegui amar você mesmo diante de todas as suas atrocidades, mas percebi que por você eu só fui usada como sua biblioteca literária.

Mesmo quando eu disse que eu te sentia amor, você foi capaz de tratar a minha decepção como palhaçada.

Para de se fazer de vítima, rapaz, porque de vítima você não tem nada.

Eu sou muita coisa, mas se tem uma coisa que não sou é falsa.

Mas você é sim um grande babaca.

Comentar sobre Eu não sinto saudades

2 comentários abaixo sobre Eu não sinto saudades

  • David disse:

    amo demais esses textos

  • Kelly Ramalho disse:

    kkk eu vou plagiar seu texto e manda pra um babaca. Putz n vou dá esse gostinho de abrir a brecha para falar algo com ele, melhor deixar quieto. Mas que deu vontade deu!