Esta foto é sua?

Eu poderia me apaixonar por você

É um tanto complicado te dizer isso, já que somos amigos. Não bastasse sermos amigos, somos amigos há pouco tempo. Isso só aumenta a complicação, mas mesmo assim, quero te falar. Eu poderia me apaixonar por você. Não seria num piscar de olhos, afinal de contas o teu jeito meio fechado e meio sério pra falar dos assuntos que mais despertam a minha loucura precisam ser degustados com calma. Digerir suas loucuras é um exercício encantador e paciente. Mas, mesmo com algum tempo de dedicação, eu poderia me apaixonar por você.

Não é que você seja o cara mais cavalheiro, sensível e calmo do mundo. Não, não. É que você tem um jeito sereno de me dizer umas coisas meio cabeças demais pra quem é só coração, aí eu acabo percebendo que eu poderia me apaixonar por você e passar a vida inteira ouvindo aqueles conselhos meio malucos que você sabe que eu não vou seguir e mesmo assim passa horas tentando me convencer. E eu dispenso algumas horas de terapia porque te ouvir falar faz meu cérebro funcionar.

Eu também poderia me apaixonar por você porque até hoje só me apaixonei por caras que eu admirasse. E eu te admiro pra cacete. Se antes de te conhecer pessoalmente eu já achava o máximo a inteligência subjetiva dos teus textos, imagina o que aconteceu quando eu descobri que você é ainda mais inteligente na vida do que na literatura. Pra quem já deixou claro que te admira na TV, na internet e na cara-de-pau, se apaixonar até que seria fácil. 

O seu gosto musical e o meu não tem muito a ver, não. Mas isso até que contribui pela possibilidade de eu me apaixonar por você, já que todos os meus ex-casos têm o gosto musical extremamente igual ao meu e isso não adiantou nada pra que algum deles durasse por muito tempo. Quando eu decidi que minha próxima paixão acharia o Zeca Baleiro um cara meio chato, Damien Rice uma coisa parada demais e O Teatro Mágico no máximo legalzinho, você apareceu. Então eu até que poderia me apaixonar por você e seus hard-punks.

Você diz que eu faço seu tipo, e isso também facilitaria o processo da paixão. É porque eu acredito tanto em tudo o que recíproco, que seria só baixar um pouco o muro que eu criei contra as paixões que eu me apaixonaria por você. Minha blindagem não previa que alguém que faz tanto meu tipo me dissesse que eu faço o tipo dele. Uma coisa meio louca.

Tem mais uma coisa que é fundamental pra que eu saiba que eu poderia me apaixonar por você: às vezes você me dá um gelo. Eu nunca consegui me apaixonar por alguém que se entregasse de bandeja pra mim, e você, com tua mania de deixar de lado o celular e não achar a coisa mais importante do mundo checar o e-mail todos os dias, atrasa as respostas pras minhas perguntas e pros meus convites. Aí eu sinto uma expectativa meio louca de saber se você quer me ver e me deixar dividir o peso do meu mundo contigo – o seu equilíbrio, mais uma vez.

Os lugares que você curte, seus papos cults e sua mentalidade velha seriam catalisadores poderosos do processo. Ir comer sushi falando sobre literatura, ir beber um chopp discutindo música e ao café mais charmoso da cidade falar sobre cinema são coisas que aceleram o sinal de alerta da minha cabeça – que ao invés de piscar uma luz vermelha, faz brilhar meus olhos de vez em quando.

Você é meio viciado em trabalho como eu, pensa no futuro como eu e comemora seus conquistas pensando em novas conquistas, como eu. Aí fica fácil pensar em aliar o útil ao agradável, me apaixonar por você e começar uma vida quase pronta, de tanto que a gente pensa nela.

Você acha meus textos repetitivos, minhas loucuras apaixonadas repetitivas e, no fundo, você me acha até meio maçante. É muita coisa torta junta. Aí eu, rindo, digo que só me apaixono por caras complicados e que não prestam, e depois de um tempo o encanto acaba. E é só por isso que eu não me apaixono por você. Você é simples e presta. E eu não suportaria me encantar assim todos os dias.  

Comentários