Esta foto é sua?

Ninguém no mundo me faz tão bem quanto eu mesmo

Depois de um período enchendo a barriga do tempo com atividades longas, trabalhos, rotina, depois de me esconder da minha própria sombra adiando um necessário encontro comigo mesmo, me rendi a ficar sozinho. Sem compromissos, sem agenda, sem as notificações do celular, quieto, em silêncio, no escuro do quarto.

Às vezes, a gente precisa tirar férias do mundo para escutar tudo aquilo que nosso coração anda gritando, mas estamos ocupados demais para ouvir. Para nos ouvirmos. Para nos darmos ouvidos. Só seguimos. Seguimos em frente, atropelando as próprias vontades, adiando os próprios sonhos, aceitando qualquer conselho que nos dão, como se os outros soubesse mais sobre nós do que o espelho. Como se os planos feitos por um outro alguém fornecessem o melhor atalho para chegar aonde sempre quis. Impossível.

Se Deus me deu um coração que sente e uma cabeça que, mesmo às voltas, pensa, é por algum motivo. Talvez seja, ou melhor, com certeza é para que eu comece a deixar de me valer de desculpas esfarrapadas para me aceitar como sou, para deixar de ponderar as minhas vontades, para acreditar mais em mim e não apenas concordar com a versão resumida, reduzida, inferiorizada e padronizada que a grande maioria rasa das pessoas faz de mim.

Sou só alguém que sonha muito alto e que vive de buscar um jeito, uma forma, um meio de conciliar isso com a vida real. Mas que, de forma alguma, deixa de acreditar que por mais louca e impossível que pareça uma vontade, ainda assim, é terrivelmente passível de ser saciada. De acontecer. De virar realidade.

Toda vez que me convido para um passeio, acabo deixando de prestar atenção nas paisagens para me concentrar nas minhas próprias pinturas. Alguns rascunhos de coisas que quero ser e ter, alguns rabiscos improvisados de uma realidade que, com toda certeza, ainda vou viver. E é lindo. É lindo me encontrar comigo mesmo e perceber que isso, no fim das contas, por mais que às vezes eu tente adiar, me encher de trabalho, rotina ou longas atividades, é a coisa mais gostosa do mundo. Amo estar comigo mesmo e cheguei à conclusão de que ninguém no mundo me faz tão bem quanto eu mesmo consigo me fazer quando me permito assim.

Comentários