Esta foto é sua?

Sobre gostar de alguém com motivos

Não sei se eu já contei isso aqui, mas vira e mexe eu me pego praticando um exercício de auto-tortura que consiste basicamente em reler as coisas que eu escrevia há uns quatro ou cinco anos e ficar refletindo sobre os motivos de eu registrar e publicar umas bobagens daquelas.

É tipo rever as fotos antigas e lamentar o corte de cabelo e o cós da calça, sabe? Tipo rever o vídeo das festinhas de adolescência e perceber que aquelas luzes no cabelo não deram certo e que você definitivamente não ficava bem de sandália de plástico.

Sei bem que os textos, os cabelos e as roupas são alicerce da minha história e construção de quem eu sou. Sei bem que as coisas que eu escrevi no passado têm lá suas belezas e naquele momento fizeram sentido. Eu sei de tudo isso, mas há certas coisas das quais eu me envergonho um pouco e uma delas é a minha antiga paixão por paixões sem motivo.

Parei para me reler dia desses e percebi o quanto eu adorava paixões sem motivo. O quanto eu gostava olhar para alguém e me encantar sem saber um porquê. O quanto eu gostava de me entregar a sentimentos quase primitivos e alimentar ilusões previamente sabidas para simplesmente desfrutar da sensação de estar apaixonada e gostar do que eu pensava estar sentido.

Era sobre simplesmente sentir algo bom e não sobre gostar genuinamente de alguém.
Era ilusão e eu sabia. Eu sabia e fingia não saber porque às vezes a alegria está justamente naquilo que a gente sabe não ter.

Refleti um bocado sobre tudo isso e percebi que há algum tempo tudo isso se tornou um tanto vazio. Percebi que as paixões sem motivo em regra só servem para nos mostrar que as paixões genuínas precisam ser alimentadas com um bom bocado de razão. Que elas precisam de tesão, razão, emoção e admiração.

Percebi, recentemente, que gostar de alguém sem motivos pode até ser esporadicamente bom, mas que não há sentimento mais foda do que olhar nos olhos de quem se gosta e enxergar um bocado gigante de motivos para investir, acreditar e alimentar essa paixão.

Comentários