“Ele faz tudo por mim, mas não quero ficar com ele”

Que mulher nunca se envolveu com o cara bonzinho, que fazia tudo por ela, mas que não tirava os pés dela do chão?

Os homens que tem esse perfil não conseguem entender como pode uma mulher recusar tanto amor para ficar nos braços de caras escrotos e cafajestes. Vou tentar explicar qual o problema de ser bonzinho.

Existe uma diferença entre ser bom ou prestativo e ser bonzinho, no primeiro caso é uma escolha consciente, bem pensada, articulada, eletiva e proporcional à necessidade em jogo. Nesse caso é uma ajuda ponderada, cuidadosa que tem por objetivo beneficiar realmente a outra pessoa sem que pra isso exista uma recíproca ou correspondência.

O cara bonzinho oferece uma ajuda exagerada surgida de uma base de carência, fragilidade e necessidade de aprovação recíproca. Ele ajuda acreditando que está desprendido de resultado, quando tem uma demanda gigantesca e reprimida por afeto e atenção exclusiva.

Esse tipo de ajuda tem um afeito duplamente negativo sobre a mulher em questão, pois ela se sente endividada e pressionada com tanta ajuda recebida ao mesmo tempo que não tem espaço para fazer algo espontâneo e agradável como contrapartida. Esse fluxo de ida e volta se torna tão disfuncional que ela passa a ver o cara como alguém aflito por atenção. Esse cuidado todo, aliás, não deixa de ser uma tática, ainda que inconsciente, de aprisionar a outra em favores pessoais.

E como isso afeta o relacionamento? A admiração e o desejo surgem quando alguém nota uma força pessoal associada a segurança e estabilidade, no caso do cara bonzinho isso não existe. Ele se comporta como alguém que não está seguro de si e está passivo diante da vida e dos movimentos de sua parceira. Normalmente ele apenas reage às circunstâncias e age como uma marionete dos caprichos dela, mas com o tempo isso desgasta a confiança mútua e cria ressentimento. No entanto, o cara bonzinho nunca admitirá esse amargor e passará a ter um comportamento veladamente raivoso pressionando cada vez mais, sendo irônico, soltando comentários do tipo “faço tudo por você e não ganho nada com isso”.

O ciclo se fecha a tal ponto que a mulher se sente culpada por não sentir nada por ele, além de ouvir das amigas que ele é o cara perfeito e ela está jogando fora uma oportunidade de ouro. É difícil explicar por que mesmo recebendo tudo isso não parece ser suficiente.

Enquanto esse cara não perceber como está perdido num jogo emocional infantil de agradabilidade excessiva não conseguirá um relacionamento de verdade. Ele tomará um pé na bunda e se convencerá que a mulher não fez por merecer até encontrar outra garota onde o ciclo recomeça com mais intensidade. Para garantir que não será deixado novamente forçará mais a barra convencido de que dando tudo de si poderá garantir o sucesso da relação.

Portanto, até para doar amor é preciso saber o timming certo entre dar e receber, valorizar e ser valorizado para que o amor cresça num ritmo natural e não ansioso e desesperado. É como fazer um bolo, se você abrir o forno antes da hora vai desandar.

Comentar sobre “Ele faz tudo por mim, mas não quero ficar com ele”

12 comentários abaixo sobre “Ele faz tudo por mim, mas não quero ficar com ele”

  • Avatar Victor disse:

    Engraçado que eu me li nesse texto, e descobri que sou o “cara bonzinho” e isso me assusta, por que ainda não tinha percebido. Essa carência é real, ela existe. Essa demanda não atendida por carinho e atenção está aqui. Esse protecionismo exagerado e a necessidade de agradar a minha namorada e todo custo, está a todo vapor. Dou presentes caros, levo onde quer ir, enfrento o mundo, perdoo vacilos, dou o maximo da minha atenção, e por mais que eu diga que faço por amor e não quero nada em troca, a inexistência de reciprocidade me abala e me faz ter raiva e achar que “ela não é mulher pra mim”. É assustador. Frederico, te acompanho há muitos anos, mas nunca havia lido este trabalho. você agora me acertou e me derrubou.

  • Avatar Cris disse:

    Incrível a semelhança com uma pessoa que me relacionei, que acabamos o relacionamento a poucos dias
    Ele era exatamente assim.
    E me cobrava por fazer as coisas para e por mim. Me fazendo sentir mal por não retribuir como ele “achava” que merecia
    Mas eu percebia esse “joguinho” e não me deixava entrar nele.
    Até que chegou o momento que ele cansou e desistiu

  • Avatar Criss disse:

    Li os comentários do Victor e da Cris. O Victor se encontrou. A Cris reconheceu seu relacionamento. Eu tenho toda essa convicção, porém não me atrevi a dar um ponto final no meu caso – que não é um namoro, mas já “rola” há sete meses. Acomodei-me diante dessa oferta de atenção e afins. Daí o motivo de seguir à diante, continuar. Porém, nos últimos dois meses, o apetite para relacionar, o desejo de encontrar ou a necessidade de ter o abraço do outro diminuiu demais – praticamente cessou. Sinto-me mal. Passo por um período difícil em relação à saúde mental, emocional, psíquica. Em alguns momentos atribuo essa minha ansiedade e frustração ao convívio com essa pessoa. Acredito que esteja na hora de colocar um ponto final. Até porque ele quer uma namorada para mostrar para o mundo. E eu só fico com ele onde o “mundo” não possa nos ver.

    • Avatar Lilith disse:

      Nossa vc me descreveu todinha, vivo isso ele me rodeia de agrados mas não estou afim de sair de mãos dadas, n estou pronta o psicológico tá bagunçado me tratando com psiquiatra, mas n consigo me desligar dele, pois ele insiste e ainda diz q quer me ajudar nesse momento q estou passando, me sinto em divida mas n pedi isso…

  • Avatar Joyce disse:

    Preciso comentar porque também passei por isso. É estranho, mas é real, no caso, eu sou a moça e me encontrei nessa situação. Não suportei por muito tempo. A mulher acaba se sentindo em dívida, é real e o cara é sempre muito carente e quer reciprocidade, é óbvio. Resultado. Não conseguimos suprir essa carência, nem elevar nosso afeto. Percebemos o joguinho, quase que “inconsciente” e pa. Pulamos fora. Resumo da ópera: o homem chora. Aprende ou volta pro ciclo, não tem jeito!

  • Avatar Guilherme disse:

    Me identifiquei em alguns pontos como a real falta de carinho(nunca consegui namorar, nem mesmo ficar), porém há coisas como a exigência por reciprocidade(se encaixa o carinho) ou concordar e querer fazer tudo que ela quer, com as quais eu discordo, mas ainda assim não entendo o porque de nunca conseguir algo além de amizade(pois sim todas as minhas experiências resultaram na outra pessoa gostar de mim)…

  • Avatar Kel disse:

    Eu estou nesse relacionamento, pedi o divórcio e ele está assim como esse cara bonzinho, faz tudooo pra mim, me agrada , vive chorando pelos cantos , faz cara de triste e faz com que sinta pena dele, por várias vezes eu voltava atrás e ficava porque me sentia culpada por ver ele triste e por ele ser bonzinho comigo mais eu entrava na depressão, por está infeliz até que outubro pedi o divórcio e tá uma coisa chata e horrível de aturar, estava me sentindo mau achando que eu estava fazendo a coisa erra , pq ele estava tão bonzinho perfeito fazendo tudo que eu sempre uso que fizesse , mais não vou voltar atrás na minha decisão .

  • Avatar Ana disse:

    Deixa quieto essa história de homem bonzinho, tem que ser algo sincero. Estive em um relacionamento assim e não entendia o pq de não gostar dele como esperava, ficava pensando, procurando respostas na net, nas amigas, um dia fiz uma oração e em seguida encontrei esse texto, após semanas lendo e tentando tomar uma decisão, foi como um tapa na minha cara, entendi esse e outros relacionamentos passados q para mim foram tóxicos e enfim coloquei um ponto final, sem medo de me arrepender, q era meu maior medo por todos dizer q ele era bonzinho e me amava.

  • Avatar Lívian disse:

    gente, me ajudem! tenho a velha sorte de só encontrar cara escroto. mas após uma separação de um relacionamento onde eu ainda penso no ex, e estou magoada. eu conheci um cara super gente boa, faz de tudo pra mim e p mim, mas n consigo gostar dele. oq faço? nao quero magoar, smp fui sincera com ele, mas ele smp diz q ama e n quer perder, não estamos num relacionamento ainda, porém ficamos smp juntos, passo dias na casa dele. a família toda conhece, mas eu não tô feliz,e me sinto horrível p isso. me ajudem com qualquer conselho, mt obrigada!

  • Avatar Lu disse:

    Enfim, encontrei uma explicação para o que vivo há mais de 10 anos em um casamento. Eu achava que era ingrata e culpada por as coisas não darem certo. Hoje tomo antidepressivo porque não soube lhe dar com o desejo de me afastar dessa pessoa que é tão boa para mim. A sua necessidade por reconhecimento e aprovação está presente o tempo todo nas pequenas coisas. A pessoa não apresenta planos com você mas ela espera você conduzir a vida do casal a partir das suas vontades. Grata pelo texto e gostaria de ler mais coisas sobre o assunto. Já sai de casa uma vez mas estou me preparando para sair de vez agora.

  • Avatar Isis disse:

    Finalmente após procurar respostas em todos os lugares do planeta eu encontrei um texto que reflete exatamente o tipo de relação que eu vinha tendo com um amigo, vinha no passado mesmo, porque não pretendo mais nutrir a relação seja por culpa ou por pena.
    Ele é uma pessoa boa, gentil, faz tudo para agradar, no início isso é muito lindo, gentileza chama atenção, esse tipo de homem é muito prestativo, atencioso.
    Recém saída de um relacionamento amoroso, confessei estar confusa, avisei que não estava procurando ninguém, porém ele estava sempre tão perto e insistindo para sair que acabei indo.
    Dei uma chance e ficamos, porém isso de multiplicou por mil, simplesmente havíamos ficado e ele já estava pensando em me apresentar para a família, fazendo planos para o NOSSO domingo (?) eu bem sem entender.
    Isso foi o suficiente para me fazer pular fora, logo de cara eu fui tomada por uma culpa por gostar da pessoa e ver que eu não correspondia o sentimento a altura, entrei em paranoia achando que deveria ser o mais honesta possível e fui. Não sai mais, não fiquei mais.
    Ele continuou ali ao meu lado, sendo fofo, ajudando, dando agrados. quando eu menos vi eu praticamente estava encurralada entre esse jeito da pessoa e o meu não querer, porque sim! Questionamentos como: será que sou iludido? Você sabe que te amo? Será que você vai me corresponder? Você sabe que sou insistente?
    Passaram a ser comuns e na verdade insuportáveis, porque se de fato eu quisesse ficar com a pessoa não teria dado um fora lá atrás, precisei me distanciar emocionalmente falando, responder bem menos, mas nem isso bastou então irei ser honesta de uma vez, falar que tenho outra pessoa nos meus pensamentos apesar de ter tentado dar uma chance.

  • Avatar L disse:

    Finalmente após procurar respostas em todos os lugares do planeta eu encontrei um texto que reflete exatamente o tipo de relação que eu vinha tendo com um amigo, vinha no passado mesmo, porque não pretendo mais nutrir a relação seja por culpa ou por pena.
    Ele é uma pessoa boa, gentil, faz tudo para agradar, no início isso é muito lindo, gentileza chama atenção, esse tipo de homem é muito prestativo, atencioso.
    Recém saída de um relacionamento amoroso, confessei estar confusa, avisei que não estava procurando ninguém, porém ele estava sempre tão perto e insistindo para sair que acabei indo.
    Dei uma chance e ficamos, porém isso de multiplicou por mil, simplesmente havíamos ficado e ele já estava pensando em me apresentar para a família, fazendo planos para o NOSSO domingo (?) eu bem sem entender.
    Isso foi o suficiente para me fazer pular fora, logo de cara eu fui tomada por uma culpa por gostar da pessoa e ver que eu não correspondia o sentimento a altura, entrei em paranoia achando que deveria ser o mais honesta possível e fui. Não sai mais, não fiquei mais.
    Ele continuou ali ao meu lado, sendo fofo, ajudando, dando agrados. quando eu menos vi eu praticamente estava encurralada entre esse jeito da pessoa e o meu não querer, porque sim! Questionamentos como: será que sou iludido? Você sabe que te amo? Será que você vai me corresponder? Você sabe que sou insistente?
    Passaram a ser comuns e na verdade insuportáveis, porque se de fato eu quisesse ficar com a pessoa não teria dado um fora lá atrás, precisei me distanciar emocionalmente falando, responder bem menos, mas nem isso bastou então irei ser honesta de uma vez, falar que tenho outra pessoa nos meus pensamentos apesar de ter tentado dar uma chance.