Esta foto é sua?

5 dicas para quem escreve

Perguntei no Instagram esses dias se as pessoas queriam saber dicas sobre o processo de escrita, sobre como melhorar e como usar algumas ferramentas que já nos foram passadas por grandes mestres.
Por isso, resolvi fazer esse post. Mas, já vou começar dizendo que o que virá a seguir é apenas uma humilde sugestão, uma pequena bússola que entrego caso se sintam perdido em parte do processo.
Afinal, cada frase, cada texto, cada livro cria o seu próprio caminho e as suas próprias regras.
Dito isso, vamos lá:

1 – Leia muito

“Nossa, Isa, sério?”
Sim. Muito sério. Não estou falando de ler por ler, mas ler prestando atenção nas estruturas dos diálogos, nas descrições de lugares, nos personagens e em suas qualidades e também em seus defeitos. Ler para se divertir, mas também para aprender.


Leia autores que escrevem gêneros similares aos que você quer escrever e aprenda o máximo que puder. Leia autores que escrevem histórias completamente diferentes das que você gosta, para sair da zona de conforto.
Se você quer contar histórias, deve gostar de ouvi-las, lê-las. Então, leia. Muito. É sério.

2 – Crie o hábito de escrever todo dia

Mesmo que você apague depois, mesmo que o texto só vá até a sua gaveta, escreva. Não fique esperando a inspiração dar um tapinha no seu ombro e dizer: “Cheguei! Vamos trabalhar?”. Não. Faça ela ter vontade de trabalhar com você, de estar ali perto. Claro que há ideias que aparecem “do nada” e, geralmente, são as melhores, mas você tem que saber lidar com a falta delas.

Por isso, crie o hábito de escrever todos os dias. Estipule uma meta de palavras, de páginas, como quiser e escreva. Nem que seja descrevendo a parede da sala, mas escreva.. Ohábito aprimora as habilidades.

3 – Inspire-se

Inspiração é muito diferente de cópia. MUITO. Um livro que fala bem sobre isso é o “Roube como um artista”. Nesse livro, o autor diz que é difícil termos a ideia de onde veio o original, porque praticamente tudo é uma cópia de uma cópia, de uma cópia, de uma cópia e por aí vai. Eu, humildemente, quando li, troquei, mentalmente, a palavra cópia por inspiração. Cópia é algo grotesco, feio, sem contar crime. Inspiração é você ver um filme e tirar uma ideia dali. É ler um texto e uma frase te despertar o interesse para escrever sobre um assunto. É ouvir uma música e escrever sobre o que ela te faz sentir. Entende? É um ciclo. Não dá para saber de onde veio a ideia original porque tudo se conecta de alguma forma.


Viaje, converse, ouça, assista, enfim, inspire-se, sempre.

4 – Termine

Mesmo que você não goste do projeto, termine-o. Seja um texto ou um livro. Isso faz com que você conclua o trabalho e, talvez, até te dê ideias para outros.. Conversando com amigos escritores já percebi que muitos têm medo de terminar os livros. Penso que seja porque na cabeça deles (porque na minha é assim) há sempre uma forma melhor de contar a história. Aí ficamos: escreve, apaga, escreve, apaga e a coisa nunca é terminada.

5 – Ande sempre com papel e caneta

Parece bobo, mas faz diferença. Colocar a ideia no papel exercita a escrita, a forma correta de se escrever, a paciência para alinhar as ideias e colocá-las ali da melhor forma. Sem contar que, se for depender de celular, computador, enfim, a bateria pode acabar e deixar você na mão, mas o papel e a caneta…. Não.
Escreva no papel, não perca esse hábito.

Eu tinha pensado em mais coisas para dizer, mas agora não consigo me lembrar, então caso me lembre, volto a postar as dicas aqui. Espero que ajude de alguma forma. Aprendi essas coisas lendo bastante livros, como: Sobre a Escrita, A grande Magia, Ideias e Autores, Roube Como Um Artista.

Comentários