Esta foto é sua?

Onde foram morar as minhas expectativas?

Muita coisa mudou desde a nossa partida. A começar por mim. Às vezes eu nem consigo reconhecer a pessoa que hoje mora aqui. É, as coisas mudaram bastante. Será que você conseguiria enxergar em mim pelo menos um traço da garota por quem se apaixonou? Eu não acredito nisso.

A verdade é que precisei me reconstruir. Foi um longo caminho até conseguir reencontrar todos os pedaços que ficaram espalhados por ai. E se me perguntar com sinceridade, talvez eu nem tenha encontrado todos eles. Certeza que algumas lasquinhas ainda estão escondidas por debaixo do tapete.

Embarquei nessa história com um coração carregado de certezas e sai com dúvidas em mãos. Era tão doce sentir as borboletas que me lembravam de todas as expectativas. Acreditar que o tempo não seria capaz de afastar tamanho sentimento de nossas vidas. Mas agora, eu queria que pudesse enxergar o quanto você mudou a pessoa que hoje eu sou.

Não me sinto mais capaz de acreditar em tudo que um dia acreditei. Você tirou aquele véu cor de rosa que encobria o meu mundo. Agradeço por isso! Posso agora enxergar melhor os meus caminhos e tudo o que realmente quero. Mas me pergunto se nesse processo todo de construir uma nova mulher me transformei em alguém difícil de amar.

Descobri em mim uma pessoa desconfiada, que não acredita mais em apelidos no diminutivo e interesses repentinos. É que parece tão mais fácil estar em algo que não demande o sentimento. Nesse mundo que criei, basta lidar com as expectativas que criei sobre mim mesma. Por falar nelas, nem posso dizer exatamente em que momento deixaram de existir. Eu, que antes sorria aberto por uma notificação, posso hoje perfeitamente esquecer até que recebi alguma mensagem.

É, lembra daquela garota que fazia questão de te incluir em cada espaço da minha vida? Ela partiu e deixou alguém um pouco mais difícil de se entregar. Se é complicado deixar que conheçam as minhas partes bonitas, imagina as rachaduras e as imperfeições que carrego em mim. Não quero mais cometer o erro de insistir em histórias sem profundidade. Então nem sei contar de quantas eu desisti até aqui.

Ao contrário do que você possa acreditar, eu não desisti do amor. Tampouco acho que ele tenha desistido de mim. Ainda acredito que em algum canto reside aquela reciprocidade tão sonhada. Só não sou mais aquela pessoa tão disposta a pular em braços que talvez não sejam capazes de suportar o meu mundo. E enquanto o amor não vier acompanhado de leveza e paz, talvez o meu mundinho novo seja um pouco mais seguro.

Você não reconheceria essa nova versão de mim, né? Ah, se der de cara com minhas expectativas por ai, por favor, peça que elas não demorem a voltar.

Comentários