Abuse das transparências no primeiro encontro

Eu tenho um amigo que sempre muda de personalidade quando está próximo à namorada. Você também conhece alguém assim? Quando a moça está presente, ele não conta piadas de papagaio, não imita o Silvio Santos, não bebe mais do que meia latinha de cerveja, não come feito um urso prestes a hibernar, não nos mata de rir com dancinhas mirabolantes e não fala palavrões, ou seja, não faz nada do que sempre fez!

Perto da namorada ele não se parece nem um pouco com o Xexéu original, aquele cara extrovertido que fazia performances engraçadíssimas em baladas lotadas e que costumava beber vodca no gargalo, like a motherfucker viking. Até mesmo o tom de voz ele dá um jeito de mudar quando está ao alcance do radar da garota. Dá para acreditar? É como se ele estivesse diante de uma professora de etiqueta extremamente severa e constantemente à espera de um motivo – qualquer um! – para puni-lo com marteladas no dedo mindinho. Saca?

Sei que pequenas adaptações comportamentais são absolutamente normais – e às vezes até necessárias – quando deixamos a solteirice e optamos por mergulhar de cabeça na vida de casal, mas se podar totalmente, a ponto de não ser reconhecido nem pelos velhos amigos? Aí é exagero, assassinato que ninguém deveria permitir.

Se você já sabe que precisará abrir mão da sua essência para ser – ou fingir ser! – a namorada que ele espera, fuja correndo para as montanhas! Ou, simplesmente, diga que se enganou e que deu o match quando espirrou. Mas, jamais, em hipótese alguma, castre a sua personalidade para agradar alguém, pois achar que vale a pena se anular por completo em troca de aceitação é uma grande ilusão, uma punhalada certeira no coração de algo imprescindível à sua felicidade: o amor-próprio. Não estou brincando, mulher. Porque o teatrinho que, no começo, pode até parecer uma postura facilmente sustentável e totalmente inofensiva, rapidamente, vai se tornar a bomba-relógio que um dia destruirá a sua relação ou, no melhor dos mundos, estilhaçará o seu sossego.

E sabe o pior? Quanto mais tempo você aceitar viver em ritmo de farsa e dentro de fantasias costuradas somente em prol da anuência dele, mais dificuldade terá de se livrar das máscaras e voltar a ser aquilo que você, no fundo, nunca deixou de ser. Por quê? Pois você morrerá de medo de descobrir que ele é loucamente apaixonado pela atriz que você, desde o primeiro jantar, vive a interpretar. E sentirá um pavor congelante quando pensar que existe uma chance de ele não sentir a mínima atração por aquilo que você é de verdade, sob o que diz e demonstra.

Quer um conselho? Seja o mais transparente possível desde o primeiro encontro. Não, isso não é suicídio! A coragem necessária para não esconder as suas características marcantes, defeitos e manias pode ser encarada como uma grande qualidade. E, também, como um ingrediente com grande potencial de evitar futuras toneladas na consciência; já que depois – caso o jantar se torne beijo, o beijo vire transa e a transa, por fim, transforme-se em estopim de namoro -, você se sentirá aliviada por ter a certeza de que é amada por aquilo que realmente é. E não por aquilo que fingiu ser graças ao medo de ser rejeitada.

Não estou dizendo para colar no primeiro encontro vestindo uma camiseta “Sou legal, mas tenho chulé!” Aí é pegar muito pesado, o cúmulo da sinceridade. Mas de que adiantará afirmar que você ama gatos se, cedo ou tarde, sabe que dará um sonoro chilique quando trombar com um felino por aí? Hein? E se ele não quiser mais sair com você por causa da sua implicância com os bichanos? Paciência, ué. Melhor do passar a vida inteira sofrendo feito um agente secreto que teme ter a real identidade desvendada pela própria família. Não acha?

“A princípio, o bojo pode até parecer uma ótima solução, contudo, depois que ele disser que ama os seus melões, como você fará para ficar pelada sem se sentir a materialização do engano?” (Mestre dos Magos).

Comentar sobre Abuse das transparências no primeiro encontro

16 comentários abaixo sobre Abuse das transparências no primeiro encontro

  • Avatar Alessandra Vollmann disse:

    Ahh Coiro, adorei o texto, concordo plenamente. Relacionamento nenhum deve ser construído em cima de farsas, deixando de lado toda a personalidade e essência própria pra viver repleto de máscaras e personagens.. *–*

  • Avatar Neyane Gonçalves disse:

    Arrasou Ricardo! Amo seus textos!

  • Avatar Aryane Rodrigues disse:

    E se for pra alguém se encantar por você, que seja com todas as loucuras e manias <3
    Você e o seu realismo sempre doce! Demais, Sr. Ricardo :D

  • Avatar Gabriela disse:

    Eu brigo horrores cmg mesma por ter dito a um paquera no primeiro encontro que adorava fazer caretas p criancinhas na missa. Obg, n me recriminarei mais. Hahahaha

  • Avatar Fernanda Baía disse:

    ‘ Seja o mais transparente possível desde o primeiro encontro. Não, isso não é suicídio! A coragem necessária para não esconder as suas características marcantes, defeitos e manias pode ser encarada como uma grande qualidade

  • Avatar Viviane Mousinho de Medeiros disse:

    Ser verdadeira no primeiro encontro é primordial para qualquer relacionamento, melhor o cara saber logo quem vc é do que descobrir depois como uma bomba. Seja transparente sempre, não esconda nada só para parecer uma pessoa “perfeita”, melhor o cara saber logo que vc pode é uma mulher de gênio forte, do que chegar um dia e vc explodir encima dele de raiva e depois ele dizer: mas vc me disse que era uma pessoa muito calma, que sorri com tudo. Mentira tem perna curta, melhor ter alguém ao seu lado que te ame pelas coisas boas e ruins que há em vc.

  • Avatar Camila Monteiro disse:

    Coiro sendo Coiro! <3

  • Avatar Letícia Gama disse:

    Sempre que tem um post seu já sei que vai ser bom Coiro, dessa vez não foi diferente!

  • Avatar Thais Allana disse:

    Não tem como não usar transparência. Tenho medo de quem sem esconde. Amei! Muito bom!

  • Avatar Pollyanna Souza disse:

    O foda é quando aquilo que vc é, com o passar do tempo, incomoda.

  • Avatar Nadhia Dantas disse:

    Você e a sua autenticidade nas palavras! Hahahaha! Adorei!

  • Avatar Estefany Rosa disse:

    Do que adianta fingir ser o que não é para agradar os outros? Isso vale para amizades também.Tive uma amizade assim que preferi me afastar, se não era verdadeira com os outros, imagina comigo. Ser transparente é uma qualidade incrível.

  • Avatar Fabiana Bia disse:

    Essa falta de transparência é irritante e decepcionante. Sendo transparente as coisas já são difíceis, imagina sem.. O mundo seria melhor se as pessoas não escondessem quem elas são de fato. Parabéns pelo texto! Amei . (:

  • Avatar iara disse:

    hahahahhaa olhando so o titulo no leitor de feeds eu achei que era pra abusar “usando roupas transparentes” rsrs

  • Avatar David Garcia disse:

    O que adianta esconder, mentir ou omitir coisas sobre vc, uma hora essas coisas todas veem a tona e coisas simples que podem ser simplesmente aceitas, admiradas ou ate mesmo resolvidas acabam sendo o estupim pro fim.. de algo que poderia ter começado bem transparente e verdadeiro !